no ,

Pokémoluscos: os cefalópodes no mundo Pokémon

A série Pokémon é conhecida, desde o começo, pela existência de muitos Pokémons baseados em animais reais. Relativamente poucos moluscos foram representados na série e, dentre eles, os cefalópodes são o grupo melhor representado, como veremos a seguir:

Inkay e Malamar, os Pokémons lulas:

Pokémon Inkay e Malamar

Inkay e Malamar são Pokémons que se baseiam em lulas. Uma das principais diferenças entre polvos e lulas é que os polvos possuem oito braços e as lulas possuem oito braços e dois tentáculos. Inkay, entretanto, apresenta, além dos dois tentáculos, apenas seis braços. Entretanto, os grandes olhos, a forma mais “pontuda” do corpo e a boca com um bico são características comuns de lulas.

Squid TeuthidaImagem Dima & Nelya/pbase

Quando evolui para Malamar, o Pokémon adiciona dois braços, passando a ter o número de braços esperado para uma lula, e seu corpo se alonga ainda mais, ficando ainda mais característico de uma lula típica.

Octillery, o Pokémon polvo:

Pokémon Octillery

Octillery é um Pokémon baseado em um polvo (Octopus) e tem muitas características típicas de um: oito braços, todos com ventosas, olhos grandes e bem desenvolvidos e um sifão bem definido, que o Octillery usa como boca.

Polvo no aquárioPolvo no aquário. Imagem: Wacky doodler/Flickr

O fato mais curioso sobre o Octillery no desenho é que ele não evolui de um outro Pokémon molusco, mas sim de um peixe, o Remoraid. Outra curiosidade é o fato de o Pokémon Remoraid, cujo nome remete a uma rêmora, não ser uma rêmora característica.

Omanyte e Omastar, os Pokémons amonites:

Omanyte e Omastar

Omanyte e Omastar são Pokémons fósseis da primeira geração de Pokémons. Eles representam os amonites, um grupo muito comum de cefalópodes fósseis cuja concha se assemelha à do náutilo. Este é o principal motivo para algumas pessoas considerarem a dupla como Pokémons náutilos, porém o próprio nome do Omanyte já é revelador: trocando o “O” e o “A” de lugar, temos “Amonyte”. Quando somamos isto ao fato de estes Pokémons serem fósseis, não restam dúvidas da real identidade da dupla.

Shelmet, o Pokémon Náutilo:

Shelmet, o Pokémon náutilo
Shelmet é um Pokémon descrito como sendo algo parecido com um bivalve ou um caracol, porém na verdade Shelmet é mais parecido com o náutilo. A típica forma espiralada e lisa da concha, com uma placa que fecha a concha protegendo o animal, além da presença de olhos grandes e bem desenvolvidos comprovam esta ideia. Além disso, a orientação do animal em relação à concha também é típica de um náutilo.

A diferença mais marcante entre o Shelmet e um náutilo típico é a ausência dos múltiplos tentáculos que o náutilo tem ao redor da boca. Sua evolução, Accelgor, retém o formato da concha em sua cabeça, porém já não tem mais as típicas características de um molusco.

Pokémon subaquáticos

Como podemos perceber, a série faz jus à fama de se basear em animais para a criação dos Pokémons. Essas referências, na esmagadora maioria das vezes, não estão 100% corretas, porém vale lembrar que Pokémon é um desenho animado que se passa em um mundo fictício e que a magia da série está justamente em ser diferente da realidade.

[box type=”success” ]Artigo enviado por Diniz Viegas, mestre em zoologia pelo Museu Nacional do Rio de Janeiro, com especialidade em moluscos marinhos. Faça como ele e colabore conosco. Sintam-se a vontade para corrigir, complementar e compartilhar a sua experiência conosco. Utilize o campo de comentários para tirar dúvidas e interagir sobre esse assunto. [/box]

Escrito por AquaA3

Somos um site de aquarismo feito por pessoas que respiram quase que sempre debaixo d’água. Dulcícola ou marinho, nano ou jumbo, plantado ou apenas peixes. Parceria, união e o verbo somar. É assim que fazemos aquarismo. Faça parte deste time!

O que você acha?

Comentários

Deixe uma Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Peixes ornamentais são o segundo PET preferidos pelos brasileiros

Invasão de Kinguios (Carassius auratus) no lago do Colorado