Notícias
Home Dulcícola Três novos Geophagus são descobertos no nordeste

Três novos Geophagus são descobertos no nordeste

Três novos Geophagus são descobertos no nordeste
5 (100%) 1 voto

Três novos Geophagus foram descobertos no nordeste brasileiro.

O grupo do gênero Geophagus, dos populares Carás ou Papa-terra, são comumente encontrados por toda região de mata atlântica desde o nordeste brasileiro até o Uruguai. Mesmo sendo peixes resistentes ainda são ameaçados pelo fato da mata atlântica estar em situação extremamente delicada. São peixes agressivos e territoriais. Seu nome popular de papa-terra se da pelo fato de abocanharem e peneirarem porções de substrato em busca de alimento como crustáceos, peixes, matéria orgânica e vegetal.

Geophagus rufomarginatus sp. n.

Espécie encontrada em Porto Seguro, na beira da rodovia BA-001 em um rio da bacia do Rio Buranhém. É diferenciado das outras espécies do grupo por seu padrão de cores, além da análise genética que comprovou tal distinção. Seu nome deriva do latim marginatus (margem, borda) and rufo (vermelho), uma alusão a coloração de sua nadadeira dorsal.

Geophagus rufomarginatus
Geophagus rufomarginatus (© J.L.O. Mattos.)

Geophagus multiocellus sp. n.

Espécie encontrada no município de Guaíra no estado da Bahia, no rio Cambiriba na porção média da bacia do Rio de Contas. Pode ser distinguido pelo seu padrão de cor distinto e por análise de DNA que confirmou a distinção. Seu nome vem do latim multum (muitos) e ocellus (pequenos olhos, joias), uma alusão às pequenas pintas e manchas azuis brilhantes presentes no centro de sua nadadeira caudal.

Geophagus multiocellus
Geophagus multiocellus (© J.L.O. Mattos.)

Geophagus santosi sp. n.

Espécie encontrada no município de Ituberá na Bahia, em um afluente do rio Mariana, rio vítima de um dos maiores desastres ambientais do mundo. A espécie se difere de outros congêneres pelo seu padrão de cor e pelo seu perfil do peitoral reto e não curvo, além de outras características morfológicas e confirmação por análises de DNA. Seu nome é uma homenagem a Alexandre Clistenes Alcântara Santos, ictiologista dedicado ao estudo de ecossistemas aquáticos do nordeste do Brasil.

Geophagus santosi
Geophagus santosi (© J.L.O. Mattos.)

Mais informações em: https://doi.org/10.3897/zse.94.22685 por José L.O. Mattos, Wilson J.E.M. Costa.

Sintam-se à vontade para corrigir, complementar e compartilhar a sua experiência conosco. Utilize o campo de comentários para tirar dúvidas e interagir sobre esse assunto. Faça parte deste time, colabore conosco!

Sobre Júlio Flórido

Estudante de Engenharia Química, apaixonado por aquarismo e aquapaisagismo. Entusiasta do FVM, possui uma estufa para produção de mudas, um aquário cubo de camarões autociclante e um plantado.

Veja também

Maré vermelha de algas tóxicas está dizimando animais

Maré vermelha de algas tóxicas está dizimando animais5 (100%) 1 voto Maré vermelha de algas …

Um comentário

  1. sinceramente tenho pena dos pobres animais que são descobertos!, pois tudo que o Homem coloca a mão ele destrói!,,,,,,,,NÃO HÁ AQUARISMO COM RESPONSABILIDADE INFELIZMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *