Notícias
Home Dulcícola Kinguio passa por tomografia computadorizada

Kinguio passa por tomografia computadorizada

Kinguio passa por tomografia computadorizada
5 (100%) 3 votos

Peixinho dourado foi o primeiro paciente da espécie a passar por uma tomografia computadorizada no Brasil.

Você conhece o caso do Kinguio (peixinho dourado), que passou por uma tomografia computadorizada, no Brasil? Sbug ganhou esse nome, por ter os olhos saltados. Essa variedade de Kinguio, se chama Telescópio, mas Sbug, parece ser uma mistura do Kinguio Telescópio com Oranda, pois nota-se o crescimento do wen (nome dado aos gominhos da cabeça), na cabeça do peixe.

Kinguio passa por tomografia computadorizada

O programa da Rede Record, exibiu nesse domingo (14/05/2017), uma matéria interessante, sobre o peixinho dourado Sbug, e nós, fomos atrás de mais informações para mostrar aos nossos leitores.

Assista o vídeo.

Sintomas

Tudo começou, quando Sbug apresentou sintomas de letargia, o animal quase não se movimentava, ficava imóvel no fundo do aquário. Parecia triste e desanimado. Ricardo Santi, dono do peixe, relatou que o mesmo apresentava um inchaço e uma ferida do lado esquerdo do corpo. Ele foi levado até à clínica veterinária, onde foi submetido á um raio x, onde apareceu uma imagem estranha. Renato Leite Leonardo, veterinário que realizou os procedimentos, relata que desconfiou de algum tumor, um cisto, algo do gênero, que estava causando o mal estar de Sbug, atrapalhando sua natação.

Peixe também sente dor!” Relatou o veterinário Renato.

tomografia computadorizada no Peixinho dourado scub

Após realizar a radiografia, Sbug começou o tratamento com um medicamento á base de um fitoterápico. Após isso, Renato sugeriu submeter Sbug á um ultrassom e tomografia, o dono do peixe topou na hora, sem se preocupar com qualquer valor. Na tomografia, foi constatado que Sbug não tem tumor algum, mas sim, uma inflamação.

tomografia computadorizada no peixinho dourado scub

Renato conta que essa inflamação pode ser de fora para dentro, ocasionada por alguma lesão que Sbug sofreu no aquário. Ele pode ter se batido ou até mesmo ter sido causado por outros peixes que ficam junto com o Kinguio. Está sendo tratado com sal de epson (sal amargo), e aparentemente está evoluindo bem. O dono do peixe foi orientado á isola-lo em um aquário hospital. Renato também orientou Ricardo, para que os peixes fossem passados para um aquário maior, para o bem estar de todos. Já estão em um aquário mais espaçoso agora!

Sbug ainda está em tratamento, está progredindo muito bem. Ricardo Santi, nos informou que Sbug, precisava de ajuda para se alimentar, pois não conseguia chegar até o alimento sozinho, ele ainda apresenta uma dificuldade, mas conseguiu se alimentar um pouco, sem ajuda. Está se alimentando de artêmias e ração.

Como podem ver, a vermelhidão na nadadeira sumiu e a ferida do lado esquerdo do corpo está desaparecendo. Porém, o lado esquerdo do corpo continua inchado e ele continua sem sair do fundo do aquário. Em breve, darei mais notícias. Obrigado a todos que se interessaram pelo caso.” Concluiu Ricardo.

Foi criada uma fanpage para Sbug, onde Ricardo mantêm todas as atualizações do progresso do peixe, para quem se interessar pelo caso, segue o link:

Aguardamos ansiosos pela recuperação do Sbug! Como será que terminará essa linda história?

Conheça também outra história surpreendente envolvendo Kinguio (Carassius auratus), o peixe  “Einstein”.

Sintam-se à vontade para corrigir, complementar e compartilhar a sua experiência conosco. Utilize o campo de comentários para tirar dúvidas e interagir sobre esse assunto. Faça parte deste time, colabore conosco!

Sobre Fernanda Akiko

Amor pelo hobby desde criança, há 6 anos realizei meu sonho, meu primeiro aquário. Agora vai muito além disso, amo o que faço. Kinguio é minha paixão. Aquarismo corre na veia, já não me imagino fora desse mundo aquático.

Veja também

As mudanças do CBAP 2017

As mudanças do CBAP 20175 (100%) 11 votos Com o objetivo de atrair e estimular …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *