Notícias
Home Curiosidades Lagostim mármore (Procambarus virginalis) estão se clonando

Lagostim mármore (Procambarus virginalis) estão se clonando

Lagostim mármore (Procambarus virginalis) estão se clonando
5 (100%) 1 voto

Geneticistas desvendam segredos de Lagostim mármore (Procambarus virginalis).

Os biólogos moleculares sequenciaram o genoma de uma espécie invasora de lagostins que pode se reproduzir sem acasalamento e estão se espalhando rapidamente por Madagascar. O Lagostim mármore (Procambarus virginalis) foi primeiro encontrado em aquários na Alemanha na década de 1990. Agora, o sequenciamento de DNA sugere que a espécie é provavelmente o produto de dois membros distantes de uma espécie de Lagostim diferente, informou uma equipe em 5 de fevereiro na Nature Ecology and Evolution.

Lagostim mármore (Procambarus virginalis)
Lagostim mármore (Procambarus virginalis) (© Chris Lukhaup)

O Lagostim já foi banido na União Européia e em algumas partes dos Estados Unidos por causa da ameaça que representa para os ecossistemas de água doce. A espécie já se espalhou para o interior de Madagascar e corre o risco de expulsar sete espécies de lagostins nativas. “Esta é uma população muito agressiva“, diz Frank Lyko, biólogo molecular do Centro Alemão de Pesquisa de Câncer em Heidelberg, que co-liderou o estudo. “Se o lagostins continuarem aumentarem no ritmo atual, provavelmente irão superar as espécies endêmicas“.

A Lagostim transporta três cópias de cada cromossomo, em vez dos dois usuais. Lyko e sua equipe sequenciaram o genoma de um único indivíduo em um laboratório conhecida como Petshop. Seu DNA revelou uma surpresa: tinha dois genótipos diferentes em muitos lugares do seu genoma. A melhor explicação para esse padrão, diz Lyko, é que dois dos cromossomos são quase idênticos em seqüência, mas o terceiro difere substancialmente.

Os dois genomas distintos estão intimamente relacionados aos de outros lagostins de água doce, Procambarus fallax, nativo da Flórida e popular entre aquaristas. Lyko especula que o Lagostim mármore surgiu quando o genoma de um esperma ou ovo de um indivíduo Procambarus fallax se duplicou, o que pode acontecer em resposta a mudanças bruscas de temperatura. Se essas células fossem então fertilizadas por outro indivíduo que vivesse no mesmo aquário, resultaria em um embrião com três cópias do seu genoma, diz Lyko. Isso representaria uma nova espécie. Lyko diz que o primeiro Lagostim mármore provavelmente nasceu em um aquário na Alemanha ou nos Estados Unidos, e que seus filhos foram amplamente compartilhados entre coletores de peixe.

Origem de uma espécie

A primeira descrição científica do Lagostim mármore (Procambarus virginalis) apareceu em 2003, em um documento Nature [link], mostrando que todos os membros das espécies pesquisadas são do sexo feminino e se reproduzem através da partenogênese – um processo pelo qual um ovo não fertilizado se desenvolve em um adulto com um genoma idêntico ao de sua mãe .

Exemplo ilustrativo de partenogênese
Exemplo ilustrativo de partenogênese (© Netxplica)

Como o primeiro Lagostim ganhou a capacidade de se reproduzir através da partenogênese é um mistério, diz Lyko. A perda ou a mutação dos genes de reprodução sexual podem estar subjacentes à transição.

A teoria de Lyko é razoável, diz Gerhard Scholtz, zoologista da Universidade Humboldt de Berlim, que liderou o primeiro estudo de Lagostim mármore. Ele se pergunta por que havia duas populações diferentes de Procambarus fallax no mesmo tanque. As espécies podem até surgir na natureza. “O fato de que as populações naturais de lagostins e mariscos não foram encontrados na natureza não significa que eles não existam“, diz ele.

Invasão do Lagostim mármore (Procambarus virginalis)
Tradução: Invasão a caminho – “Os lagostins marmoreados se espalharam no interior de Madagascar, conclusão de uma pesquisa de dezenas de lugares em março de 2017. O crustáceo de água doce ameaça expulsar sete espécies de lagostins nativas.” Bolinha vermelha – lagostim marmoreado confirmado, bolinha azul – sem lagostim marmoreado. Caixa preta – alcance em 2007  Mancha vermelha – alcance estimado em 2018

Para entender melhor a propagação das espécies, a equipe de Lyko seqüenciou os genomas de outros quatro Lagostim mármore, inclusive de populações que escaparam de aquários e lagos alemães colonizados, e um indivíduo de um mercado em Madagascar. A equipe fez um sequenciamento de DNA mais limitado de 49 indivíduos apanhados em toda a ilha. Estes estudos mostraram uma deslumbrante falta de diversidade genética, devido, presumivelmente, à origem recente da espécie e capacidade de reprodução através da partenogênese.

Julia Jones, cientista de conservação da Universidade de Bangor, no Reino Unido, que primeiro identificou Lagostim mármore em Madagascar em 2007, diz que a propagação da espécie se deve principalmente à sua popularidade como fonte de alimento. Em 2009, conheceu um homem em um ônibus carregando uma bolsa de plástico cheia deles que planejava despejar em seus campos de arroz com a esperança de criar um estoque sustentável, diz ela.

Parar a propagação em Madagascar será “quase impossível”, diz Lyko. Os colaboradores começaram a fazer campanhas incitando as pessoas a não as transportarem ou liberá-las em campos de arroz. A mensagem é difícil de ser assimilada, em um país onde os níveis de pobreza são altos e a carne de Lagostim é uma fonte de proteína barata e popular.

Fonte: Nature

Sintam-se à vontade para corrigir, complementar e compartilhar a sua experiência conosco. Utilize o campo de comentários para tirar dúvidas e interagir sobre esse assunto. Faça parte deste time, colabore conosco!

Sobre AquaA3

Somos um site de aquarismo feito por pessoas que respiram quase que sempre debaixo d’água. Dulcícola ou marinho, nano ou jumbo, plantado ou apenas peixes. Parceria, união e o verbo somar. É assim que fazemos aquarismo. Faça parte deste time!

Veja também

Corydoras sterbai

Expedição de Pesquisa no Pantanal Mato-Grossense

Expedição de Pesquisa no Pantanal Mato-Grossense5 (100%) 2 votos Patrimônio Natural Mundial e Reserva da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *